50 Golpes "pega-turista" que podem azedar a sua viagem (Parte 1)

Viajar é incrível, você conhece pessoas interessantes, novas culturas e lugares fantásticos! Porém, não há nada pior do que estar no meio do nada, em um país desconhecido, em qualquer estado de consciência, sequer entendo a língua, e descobrir que sua carteira e celular simplesmente desapareceram! Confira aqui nossas dicas para evitar os golpes que podem azedar a sua viagem!


Evitar golpes requer muita sensatez e uma boa dose de suspeita. Se parece muito bom pra ser verdade, provavelmente é! Nos guias de viagem e na Internet é fácil encontrar os golpes e truques mais comuns no país ou região onde você está, vale sempre pesquisar!

De taxistas ambiciosos, à batedores de carteira, de preços inflacionados, a joguinhos de apostas, aí vai uma lista dos 50 - isso mesmo! 50!!! - esquemas, truques e golpes mais comuns que podem azedar sua viagem.

Parte 1 | Parte 2
 

Os golpes e truques mais comuns em…


Restaurantes, lojas e serviços

1. Comida barata (e bebida cara)

Muitas vezes para escolher entre entrar ou checar o próximo restaurante da rua, você vê o menu na entrada e compara o preço de algumas comidas que sabe mais ou menos quanto custa. Lembre-se também de ver o preço das bebidas! Sucos, cervejas e refrigerantes não costumam ser produtos que a gente olha no cardápio, mas não espere para descobrir só na hora da conta que o omelete custou $10, mas o suco $35!

Como evitar: confira o preço antes de pedir. Se não está no menu ou não tem preço, confirme antes.

Comum em: Paris e outras capitais turísticas.
 

2. Menu diferentes ou sem preço

Se o restaurante não informa no menu o preço do que você quer, pergunte antes, escreva o número em um papel, mostre e confirme. Tenha certeza que o valor é o valor correto, e não um golpe “pega-turista”. Alguns restaurantes - isso acontece muito na China - chegam a ter um menu para estrangeiros com preços diferentes dos pagos pelos locais, então é uma boa idéia comparar os dois menus pra ter certeza que os preços são os mesmos!

Ou você pode fazer como nós, e pagar $70 por uma sopa que custa $30 logo ao lado... Basicamente o garçom do nosso “restaurante” pedia a sopa no outro restaurante da esquina, e cobrava pra atravessar a rua! Ou fazer como a Vivi que teve que pagar $60 de um coco que devia custar $15, apenas porque pediu e tomou antes de perguntar o preço.

Como evitar: confira o preço antes de pedir. Se não está no menu ou não tem preço, confirme antes.

Comum em: Paris e outras capitais turísticas.
 

3. Troco errado

Esse acontece muito em países onde as notas e moedas são parecidas. As pessoas tendem a olhar as cores das notas e quando você recebe uma pilha de notas da mesma cor, assume que recebeu o troco correto, mas te deram um valor menor na esperança que você não perceba.

Em lugares movimentados onde as filas andam rápido, também pode acontecer de te darem o troco bem rápido (e incorreto) na esperança de que você fique constrangido em conferir minuciosamente por conta da longa fila logo atrás. No Vietnam e na Tailândia nós várias vezes recebemos troco errado, às vezes até quando éramos os únicos fregueses do restaurante! Eles assumem que porque o troco é “pouco”, o turista vai ter vergonha e não vai reclamar… Outra similar é darem o troco em alguma moeda ou nota antiga, que já saiu de circulação.

Como evitar: não ceda a pressão de fila ou de ninguém. Tenha calma e confira tudo com cuidado, sempre. Se informe das cores e formatos das notas e moedas quando chegar em um novo país!

Comum em: todo o mundo.
 

4. Mercadoria “diferente”

golpe-caixa-vazia.jpg

Essa é uma velha conhecida. Você vai na loja e escolhe um produto que está sendo vendido por um preço inacreditável, apenas para depois abrir a caixa no hotel e descobrir que dentro existe uma pedra, um produto quebrado ou diferente do que você testou na loja.

Como evitar: Sempre confira o que você está levando, antes de sair da loja. Se o preço está muito bom pra ser verdade, então é mentira :-)

Comum em: Paraguai, China, Miami, e o resto do mundo.
 

5. Cashier no telefone

A pessoa no caixa finge que está no telefone enquanto te atende mas na verdade ela está usando o celular para tirar uma foto do seu cartão de crédito que será usado depois.

Como evitar: como via de regra não entregue seu cartão a ninguém e prefira ir até o ponto de cartão de crédito se a mesma não pode ser trazida até você. nunca perca seu cartão nem que o manuseie de vista e na dúvida prefira pagar em dinheiro.

Comum em: Barcelona.
 

6. Contagem lenta

A pessoa no caixa irá contar o troco terrivelmente devagar, na esperança que você, no alto da sua impaciência vá aceitar qualquer quantia que ela te devolver de troco e sair sem conferir.

Como evitar: você está de férias, relaxe. tome seu tempo e conte com cuidado o dinheiro recebido e tenha certeza que está correto e as notas são verdadeiras. Se a pessoa levou tempo para te dar o dinheiro, você pode igualmente levar mais tempo ainda para contá-lo :-)

Comum em: Europa.
 

7. Dinheiro falso

Você dá o dinheiro da conta para o garçom que então desaparece com as notas apenas para voltar logo em seguida dizendo que o dinheiro que você lhe deu é falso. Isso quer dizer que ele trocou o seu dinheiro por notas falsas e agora você vai ter que pagar de novo.

Como evitar: marque suas notas com uma caneta (nem sempre isso é prático), ou dê uma breve olhada no serial das notas que está entregando ao garçom. O mais fácil é evitar que as notas saiam da sua visão e caso uma situação assim aconteça, peça para fazer com o gerente.

Comum em: Europa.
 

8. Cupom expirado

Algumas pessoas na rua lhe oferecem cupons de desconto para comer em determinado restaurante mas ao final da refeição quando você mostra o cupom eles dizem que a promoção já expirou.

Como evitar: confira a validade do seu cupom antes de pedir alguma coisa e caso note que ele está expirado, fique atento para o golpe e vá comer em outro lugar.

Comum em: Europa.
 

Lugares públicos

A maior parte dos truques em locais públicos consiste em desviar sua atenção para que alguém esvazie seus bolsos, ou golpes onde você "é forçado", a pagar por algo que não gostaria, ou bem acima do valor que normalmente aceitaria.

Uma vez em uma parada de ônibus no Laos, eu e uma mulher íamos em direção ao mato para “usar o banheiro”, quando um senhor chamou nossa atenção e fez sinal para que usássemos o banheiro “de verdade” logo ao lado. Na saída, ele muito insistentemente queria que pagássemos pelo "serviço". Dizendo que eu não pedira pra usar o banheiro, mas fora oferta dele, eu me recusei. A senhora quis evitar o constrangimento e pagou. A meu ver, esse tipo de cobrança/pressão é um golpe.
 

9. Guias não solicitados ou desnecessários

Essa a gente passou no Marrocos. Estávamos andando em direção a Medina (a cidade velha) e esse cara muito simpático se aproximou puxando papo. Ele perguntou onde estávamos indo e veio na cola conversando. Quando chegamos no lugar ele exigiu dinheiro por ter “nos levado até lá”. Eu insisti que não ia pagar e a coisa foi ficando feia com o cara cada vez mais exaltado e fazendo ameaças, mas mesmo assim não pagamos e acabando entrando em um banco pra nos proteger e pedir ajuda ao guarda que nos orientou a ficarmos ali até o cara ir embora.

Muitas vezes encontramos guias em trilhas no Sri Lanka que queriam nos convencer que a trilha era perigosa e que precisávamos de um guia, quando isso não era verdade. Em Varanasi, na Índia, algo similar: tiramos algumas fotos à distância em Manikarnika, onde é feita a cremação dos corpos. Um pouco depois nos sentamos para observar o movimento e esses três caras nos cercaram e começaram com uma conversa de que nos viram batendo fotos, que aquilo era desrespeitoso, que não podíamos estar ali fazendo aquilo, que precisávamos de acompanhante, etc. O tom da conversa foi esquentando, e eu perdendo a paciência e já imaginando a pancadaria, mas a coisa desarmou quando topamos dar uma volta pelo lugar com esse “holi man” que nos deu um insight maravilhoso sobre o funcionamento do crematório, e obviamente no final queria que doássemos dinheiro para a compra de lenha que é usada para queimar os corpos das pessoas que não podem pagar por isso. Nós doamos de bom coração porque realmente o passeio foi muito interessante, mas obviamente que ele queria $2000 ou mais, e nós doamos $200, cerca de 2 dólares e ficou por isso mesmo.

Como evitar: Quando alguém se aproximar dessa maneira, seja bem claro que você não precisa de guia, nem de ajuda, e não vai dar dinheiro algum a ninguém. Se você se ver com alguém insistindo em receber dinheiro, bata o pé e mantenha que não vai dar nada e ameace chamar a polícia. Faça uma cena, chame atenção, mas não pague!

Comum em: Marrocos, Índia e outros locais turísticos pouco regulamentados e policiados.
 

10. A falsa petição

falsa-peticao.jpg

Em um lugar movimentado uma mulher ou uma criança (normalmente fingindo ter algum problema de saúde, ou ser um estudante) tenta fazer você assinar uma petição. Você não entende bem o que eles estão falando e pra evitar maiores constrangimentos assina o papel imaginando que eles irão embora, mas agora eles começam a pedir dinheiro. No melhor caso você só perde um pouco de dinheiro, no pior você tem seus bolsos roubados enquanto se distrai “lutando” com a pessoa pedindo grana.

Como evitar: simplesmente ignore pessoas vindo até você com papéis, especialmente se eles estão em grupo e tentam te rodear. Ignore e apenas siga andando. Não assine nada.

Comum em: Paris.
 

11. Anel “encontrado”, super oferta de jóias, carpetes, e outras loucuras

 Não baby, não é seu!

Uma pessoa de cara inocente pega um anel do chão e pergunta se você o deixou cair. Você diz que não e a pessoa começa a examinar o anel de perto e mostra uma marca, provando que o anel é de ouro puro. Eles oferecem pra te vender o anel, ele faz dinheiro na venda e você quando revender o produto, e todo mundo sai feliz. Você acha que é um bom negócio apenas para descobrir depois que o anel é falso.

Outra variação é um super amável e vendedor(a) que quer de todo jeito convencê-lo a comprar esses diamantes/jóias/carpetes/etc. que segundo ele(a) você pode vender pelo dobro do preço em casa e fazer um lucro fácil.

Como evitar: não compre tais produtos. Não existe “negócio da China”!

Comum em: Paris, Bangkok, Nova Delhi.
 

12. Mancha na sua roupa, esbarrão desatento, e similares

Alguém passa e por “descuido” derruba algo em você. Ele(a) desculpa-se infinitamente e se oferece para limpar a sua roupa e tirar a mancha. Enquanto vocês estão se mexendo e tendo essa conversa um outro cúmplice se aproveita da sua distração para roubar seus bolsos.

Como evitar: se algo assim acontecer com você, afaste a pessoa e limpe você mesmo.

Comum em: Rio de Janeiro, Buenos Aires.
 

13. Bolsas e relógios falsos oferecidos na rua

Muito comum em Hong Kong, famosa por produtos falsos de boa qualidade. Ao passar você é aproximado por vendedores que oferecem de drogas, a bolsas, ternos e relógios falsos. Você resolve comprar um desses relógios, já que eles parecem legais e tem um preço bom. Você é convidado a ir até uma pequena sala, e um dos vários apartamentos da área, onde é forçado a comprar algo muito mais caro do que o que queria.

Como evitar: nada de errado em comprar produtos falsos, quando você sabe que eles são falsos. Porém seja cuidadoso ao aceitar ir até apartamentos ou pequenos escritórios fora da rua porque você pode se ver em uma situação bastante delicada.

Comum em: Hong Kong e no resto do mundo.
 

14. A transação de droga que dá errado

Normalmente começa assim: você está em um lugar turístico (geralmente em uma balada, muitas vezes no meio da rua) e alguém te oferece drogas. Ou a caminho de uma festa e o motorista oferece “algo mais” além da viagem. Você aceita e na sequência um policial (de verdade) aparece. Eles “oferecem” te levar até a delegacia ou, pagar a “multa” ali mesmo. Pego em flagrante, você provavelmente vai abrir a carteira e gastar uma fortuna.

Como evitar: Simples, não consuma drogas em outros países. Ou ao menos saiba de quem está comprando e onde consumir com segurança, bem como as penas as quais você está sujeito!

Comum em: Tailândia, especialmente Koh Phangan.
 

15. Jogos de rua: carteado,dados, bolinha no copinho, e outros...

Isso é mais velho que minha avó, e mesmo assim tem gente que ainda cai. Você vai ver pessoas jogando cartas, dados, ou escondendo uma bolinha entre três copinhos e desafiando alguém da platéia a apostar dinheiro e adivinhar onde a bolinha está e, obviamente ganhando. Então você decide jogar, e você ganha! Aí você resolve apostar mais… e perde. E perde, e perde.

Como evitar: A banca sempre ganha. Não se envolve em jogos de apostas na rua. Uma boa parte das pessoas a volta do jogo também está envolvida no golpe! Aliás, poupe seu dinheiro para viajar e nāo faça apostas de nenhum tipo!

Comum em: Paris, Londres, Roma, toda e qualquer grande capital.
 

16. Tesourar o fundo da bolsa, mochila e similares

Esse eu já vi em Terra Brasilis. Em filas e lugares ultra movimentados, essas pessoas vêm por trás e delicadamente furam/rasgam sua bolsa com uma tesoura e puxam alguns pertences.

Como evitar: mantenha bolsas, pochetes e malas por perto e à sua frente. Se estiver de mochila em lugares aglomerados, constantemente certifique-se de que as pessoas mais atrás ou muito próximas não estão “muito perto”. Evite colocar pertences em bolsos laterais que podem ser facilmente acessados e deixe seus objetos de maior valor (passaporte, dinheiro, cameras, celular, etc) o mais próximo possível de você.

Comum em: Brasil.
 

17. Braceletes da amizade, presentes gratuitos e similares

Alguém se aproxima e a todo custa tentar colocar em você um “bracelete da amizade” e quando você finalmente consente, vão fazer de tudo para que você  dê dinheiro ao seu novo amigo(a). Esse golpe também é usado como distração para alguém roubar o seu bolso.

1024px-Tying_friendship_bracelet.jpg

Outra variação são flores e quaisquer outros presentes dados “de graça” apenas para serem cobrados logo em seguida. Muitos vendedores se aproveitam da ingenuidade de crianças e lhes oferecem brinquedos na rua ou na praia, apenas para depois virem atrás de você para que pague pelo item que seus filhos “escolheram”.

Em templos no Sudeste Asiático é comum cobrarem pela bênção que lhe é concedida pelo monge/sadhu/padre/baba/etc., ou se aproximarem para colocar uma barbantinho em seu pulso, dizendo que não, que você não tem que pagar nada, e na sequência insistentemente pedindo uma doação ao templo.

Como evitar: recuse presentes ou ofertas gratuitas. Evite ser tocado e recuse qualquer tentativa de colocarem braceletes, flores ou o que quer que seja em você ou em seus filhos.

Comum em: Paris, Roma, Barcelona, Cairo, Sudeste Asiático.
 

18. Rosa pro parceiro(a)

Um vendedor oferece uma rosa pro seu parceiro(a) e depois faz uma super pressão e tenta fazer você ficar desconfortável e pagar um preço exorbitante por ela.

Como evitar: recuse e não pague. Simples assim :-)

Comum em: Paris, Roma, Barcelona.
 

19. Carteira perdida

Uma carteira vazia é colocada no seu caminho, como para parecer que foi roubadas e depois jogada fora. Quando você passa por ela, por instinto você checa seus bolsos para se certificar que a sua carteira está com você. Um criminoso acompanha tudo de longe, e agora sabe que bolso delicadamente enfiar a mão para pegar sua carteira.

Outra variante é alguém passar e dizer que viu uma pessoa pegando sua carteira ou celular. Você instintivamente chega os itens no seu bolso, mas uma segunda pessoa acompanha tudo de longe e agora sabe onde eles estão guardados. Quando passamos por sinais que avisam sobre a presença de “batedores de carteira”, também temos a reação levar nossa mão ao bolso, e muitas vezes os próprios golpistas colocam tais avisos!

Como evitar: esteja sempre alerta. não pegue nada do chão, se não é seu não encoste. Não saia com todo dinheiro na carteira, e se possível use uma daquelas pochetes de viagem (que ficam na cintura, por dentro da roupa) para transportar sua grana.

Comum em: Roma, Ucrânia.
 

20. Bebê arremessado

Uma mulher vem em sua direção e te joga um bebê (normalmente um boneco), e enquanto você está em “choque” com a “criança” nos braços, tentando entender o que está acontecendo, alguém rouba seus bolsos e/ou malas.

Como evitar: não segue o bebê :-) !! Proteja seus bolsos, use pochetes de viagem, fique atento ao que acontece à sua volta.

Comum em: Roma.
 

21. O engraxate de bom coração

Ao passar um engraxate deixa cair sua escova, você se abaixa para ajudá-lo e em gratidão o engraxate te oferece uma polida de graça. Você aceita, mas quando termina o trabalho o cara quer te cobrar uma pequena fortuna.

Como evitar: como via de regra, não aceite nada de graça, por mais genuíno que pareça. Mesmo quando te disserem que não tem dinheiro envolvido, e não vão te cobrar nada, acredite em mim, eles vão cobrar :-)

Comum em: Istambul.
 

22. O artista musical

Um cara entusiasmado e carismático se aproxima e pede que você ouça a música que ele produz, e te entrega um CD que parece ser de graça. Ele vai te contar como você estaria fazendo um grande favor tocando esse CD em casa, e quando você finalmente aceitar o CD, ele então irá pedir um pagamento e se você recusar, uns amigos aparecem para ajudar a te “convencer”.

Como evitar: não aceite nada de graça. Não dê conversa para estranhos oferecendo produtos ou serviços na rua.

Comum em: Nova York.
 

23. O fotógrafo amigo

Esse acontece bastante com casais, que costumam tirar fotos um do outro. Alguém vê você tentando fazer uma selfie ou fotografar seu parceiro(a) e oferece para tirar a foto. Você aceita e depois a pessoa quer cobrar pelo favor, ou pior, sai correndo com sua câmera.

Como evitar: um pau de selfie ou tripé (desde que não muito longe, claro!)  podem resolver várias dessas situações. Se precisar de ajuda para fotografar, prefira pedir para outros turistas, idealmente alguém com outra máquina fotográfica.

Comum em: Europa.
 

24. Câmera quebrada

Todo mundo está tirando foto nesse lugar super popular e alguém se aproxima com uma câmera ou celular e pede que você tire uma foto. A câmera/celular parece não funcionar e quando você devolve para a pessoa o "turista" dá uma de desastrado e deixa o aparelho cair no chão, onde ele é despedaçado. Ele então pede que você pague pelo conserto, ou tenta roubar sua carteira quando você se abaixa para pegar o objeto.

Como evitar: recuse qualquer pedido de dinheiro ou pagamento por qualquer conserto que seja e tenha certeza do que está fazendo ao aceitar ajudar estranhos. Caso suspeite de algum golpe desse tipo saia andando e evite discussões.

Comum em: Nova York.
 

25. O modelo “de graça”

Uma pessoa vestida em roupa típicas, ou com algum animal exótico, ou apenas um local acima de qualquer suspeita, se aproxima e faz pose para uma foto, ou pede que você tire uma foto dele(a). Você todo feliz faz rapidamente apenas para ser agressivamente cobrado depois.

 Eles querem o seu dinheiro...

Eles querem o seu dinheiro...

Como evitar: peça permissão para tirar fotos de quem quer que seja, até de animais se os donos estiverem por perto. Sempre esclareça que você não tem e não está interessado em pagar nada. Pessoas na rua as quais você fotografou também podem se aproximar e pedir dinheiro, então tenha certeza do que está fazendo. O combinado não sai caro!

Comum em: Peru, Índia, Vietnam, e no resto do mundo.

 

Parte 1 | Parte 2
 

E você? Já passou por algo similar - ou diferente?! Conhece alguém que vai viajar? Compartilhe as dicas com eles!

 

Fontes e referências

Rick Steves Europe

Lonely Planet

Wiki Travel

Preparing for safe and healthy travel abroad

US Embassy

Scam Busters . org

Travel CNN

Nossas próprias experiências