Laos e a magia de Luang Prabang

Longas jornadas por terra e mar oferecem situações inimagináveis para quem viaja no rápido conforto de um avião. Nos meses que passamos cruzando a Ásia de ônibus, o caminho de Sa Pa no Vietnã até Luang Prabang no Laos, foi um dos mais longos e interessantes…


Parte 1 |  Parte 2 

A longa estrada PARA Luang Prabang!

Depois de dias de viagem do Vietnã ao Laos por terra e mar - na verdade rio! - finalmente chegamos a Luang Prabang. Se você perdeu o último episódio, vale a pena conferir, Vietnã por Terra III - Do Vietnã ao Laos!

O amplo terminal rodoviário de Luang Prabang ficava nos arredores da cidade e não tínhamos sequer idéia de como chegar ao centro. Cansados e irritados, chegamos literalmente sem grana, e debatendo se deveríamos ou não esperar por um ônibus, ou pegar um dos famosos super faturados tuck tuck. Com caixa eletrônico logo ao lado, a escolha foi óbvia.

P1140808.JPG

No Laos a negociação de preços não é tão acirrada como no Vietnã, o que não impediu o motorista de nos cobrar o dobro do preço que viajantes regionais pagam pelo mesmo percurso. O motorista nos deixou no bairro com a maior concentração de hostels e guesthouses da parada, perto de Mont Phousi.

Resolvemos sair batendo de porta em porta buscando por um quarto, e como era Sábado, estava tudo lotado, e os poucos que tinha espaço queriam nos cobrar preços absurdos. Continuamos tentando, descendo a rua em direção ao rio, até encontrarmos uma simples guesthouse meio decadente chamada Sarika. Nosso quarto era simples e tinha um banheiro fedido, mas o preço era baixo demais para recusarmos.

Sábado a noite é uma hora interessante para se chegar em Luang Prabang, a cidade está a milhão! São dezenas de carros, motos e tuk tuks pra todo lado, bares lotados, turistas coloridos com roupas típicas e diversos mercados de rua vendendo de tudo um pouco. 

P1140118.JPG

Tivemos muita sorte em nos encontrar com viajantes super bacanas durante essa travessia sem fim e todos com unanimidade diziam o quão linda e mágica era a tal Luang Prabang. A impressão era de que começamos a nos encantar com a cidade antes mesmo de chegarmos.

Algo curioso que observamos no Laos e também no Vietnã é a mistura de serviços que um mesmo estabelecimento oferece. O guesthouse é restaurante, agência de turismo, ponto de aluguel de motos e tudo o mais que você precisar. 

É fácil sair a pé e encontrar templos, museus, montes de comida de feira da melhor qualidade, e muitas, muitas frutas! Sentimos a onda de espiritualidade que o país leva e nós dois comentamos o "que" mágico da cidade. 

Luang Prabang nada mais é do que um super vilarejo nas confluências do rio Mekong e Nam Khan. Ao contrário do Vietnã (um povo "não tão religioso"), o Laos devolveu com profundidade a magia das cores e beleza dos templos e Monastérios Budistas. Os tempos são acessíveis e convidam a visita, e toda a cidade tem um ritmo relaxante que faz você apenas querer ficar por ali... Luang Prabang nos deu licença para apenas ser e estar. Pudemos esquecer por alguns dias a ansiedade de saber que logo teríamos que ir embora.

20170122_171039.jpg

 

O que fazer em Luang Prabang?

 

Sisavangvong Road 

Delícia de passeio é seguir sem rumo na Sisavangvong Road explorando os templos e monastérios locais e o famoso Monte Phousi. O National Museum também fica na mesma rua e vale muito a visita a antiga casa de Luang Prabang.

O Laos é seguro e tranquilo. Não tem desgaste emocional ou psicológico. É nesta rua que o maior mercado noturno rola toda noite. Centenas de artesãos e comerciantes alinham-se ao longo da rua oferecendo belíssimos e interessantes produtos locais. É uma ótima oportunidade para comprar as famosas calça estampadas de elefantes, vestidos, e bolsas por um precinho camarada. A dica é sempre pechinchar muito e comparar preços.

Em uma das ruelas paralelas a Sisavangvong você encontra o Street Food Market, que também começa ao cair da noite. A estrutura é similar e são infinitas barracas oferecendo bebidas, assados e frutas maravilhas. Ali comemos os frangos grelhados mais deliciosos de toda a viagem.

P1140126.JPG

Dica: Evite comer saladas ou frutas que descascadas ou que estejam e containers que você não pode ter idéia de a quanto tempo estão ali ou você está pedindo para ter uma bela intoxicação alimentar. Escolha frutas ainda com casca e grelhados feitos na hora.

P1140140.JPG

 

National Museum

20170122_112132.jpg

 

Mount Phousi (Monte Phousi) 

O Monte Phousi tem 150m de altura e infinitas escadas, mas a vista lá do alto compensa. Você consegue ver toda a cidade e seus diversos templos, as montanhas ao fundo do horizonte e a confluência dos rios Mekong e Nam Khan. O por do sol é absolutamente fantástico. Além disso existem diversos pequenos templos e imagens de Buda que requerem tempo para serem aproveitados.

Dica: O ideal para conhecer todo o monte e seus diversos templos e esculturas é subir por um lado e descer pelo outro, usando as diversas escadarias em ambos os lados da montanha.
 

Utopia Bar

 Clima descontraído e relax do Utopia bar

Clima descontraído e relax do Utopia bar

Por sorte no último dia acabamos esbarrando no Utopia bar, um lugar fantástico para passar a tarde lendo um livro, ou só existindo e tomando um café. Em Luang Prabang a contemplação voltou a fazer parte de nossos dias, e como agrada a alma! A comida é um pouco cara, mas ainda assim vale a visita, e durante a noite o lugar vira uma discoteca!

 

Templos e mais templos

P1140170.JPG

Não tem como não amar uma cidade que com tantos templos e monastérios. Diferentemente de outros países que visitamos, os templos aqui tem um ar mais "gasto" e um importante papel social e religioso. Você sente que eles são realmente utilizados e estão abertos a todos, sem mimimi.

No Laos é tudo um pouco mais simples, mais admiravelmente surrado, mais usado, mais humano. Todos são convidados e podem participar dos "chantings" e da sessão de meditação. As restrições impostas para que possamos chegar perto dos monges e até conversar com eles são muito poucas, e de fácil solução. São todos esses pequenos detalhes que nos fizeram nos apaixonar pelo Laos.

 Noviços limpam o pátio de um dos templos. Os noviços moram, estudam e vivem dentro do templo.

Noviços limpam o pátio de um dos templos. Os noviços moram, estudam e vivem dentro do templo.

 Uma bicicleta é a melhor forma de explorar os diversos templos de Luang Prabang

Uma bicicleta é a melhor forma de explorar os diversos templos de Luang Prabang

P1140785.JPG
P1140177.JPG

 

Wat Pa Phai

Wat em Lao quer dizer “templo”, e templos não faltam em Luang Prabang! Todos abrem bem cedo para a primeira prece do dia, as 4:30 da manhã, e encerram com preces, cantos e meditações às 17:30. Alguns templos fazem a cerimônia um pouco mais tarde, então convém confirmar caso pretenda visitar algum tempo específico.

20170122_105817.jpg
20170122_163625.jpg

Dos diversos templos que visitamos o Wat Pa Phai se destacou. Lá as preces são as 5h e às 18h, sendo que a última cerimônia é uma combinação de preces com meditação. Os noviços se sentam na frente de Buda, perto do Monge, e todos os outros ficam sentados atrás. Passamos uma boa hora conversando com os noviços, e aprendemos muito.

Dica: Ao visitar os templos fique atento aos bons costumes, os ombros devem estar cobertos, e calças ou saias devem cair até os joelhos. Sentar com as pernas estendidas também deve ser evitado porque apontar a sola dos pés para Buda é falta de respeito. Aliás, em toda a Ásia mostrar a sola dos pés para alguém é falta de desrespeito. Os monges e noviços jamais devem ser tocados, então nada de abraça-los ao tirar fotos!

20170122_201244.jpg

A cerimônia e os cantos são uma experiência inesquecível. A cor do carpete verde contrastando com o laranja vivo das roupas típicas dos monges só perdem vida na hora da meditação, quando as luzes se apagam.

Os cochilos incontroláveis que andei tirando aqui em Luang Prabang não tem explicação. Eles acontecem como uma onda de paz que afeta diretamente nossa concentração. Foi também um grande exercício e desafio ficar tanto tempo sentada com os joelhos dobrados!


Continua...

Parte 1 |  Parte 2