Chungking Mansion, o melhor gueto de Hong Kong!

Bolsas e relógios falsos, telefones usados e novos, roupas, restaurantes para todos os gostos, prostitutas, traficantes, e acima de tudo, as acomodações mais baratas de Hong Kong. Seja bem vindo ao Chungking Mansions!

O Chungking Mansions é um enorme edifício formado por cinco torres residenciais, na região de Tsim Sha Tsui, na península de Kowloon em Hong Kong. Abrigando todo tipo de negócios e esquemas ilícitos, e centenas de lojas e restaurantes, esse lugar de estrutura labiríntica e mínima manutenção mantém grande fama por conta das acomodações baratas, que dão ao prédio um status legendário entre mochileiros “descolados”.

 Crédito: http://www.theculturemap.com/

Crédito: http://www.theculturemap.com/

O prédio ficou pronto em 1961, quando a maioria dos moradores eram chineses. Hoje, os mais diferentes credos e nacionalidades coexistem de maneira pacífica na caótica Chungking Mansions, que serve de ponto de encontro para muitos imigrantes de diferentes nacionalidades em Hong Kong, em particular Sul Ásiaticos (indianos, nepaleses, paquistaneses, bengalões, e cingaleses), árabes e outras etnias do Oriente Médio, e Africanos (em sua maioria nigerianos). Os quase 2000 mil quartos distribuídos pelos 17 andares do prédio abrigam toda noite cerca de 4000 pessoas.

 O tiozinho de uma das muitas vendinha do Chungking Mansion

O tiozinho de uma das muitas vendinha do Chungking Mansion


Chungking Express

Para quem está só de passagem, a maior atração é com certeza o shopping “Chungking Express”, localizado nos dois primeiros andares do prédio, um carnaval de lojas, odores e esquemas.

  Mais um dia no comércio. Crédito: http://www.theculturemap.com/

Mais um dia no comércio. Crédito: http://www.theculturemap.com/

Depois de uma grande reforma em 2000, o shopping reabriu com mais de 500 lojas e restaurantes. São dezenas de restaurantes indianos, paquistaneses, bistrôs africanos, lojas de roupa, saris (vestuário feminino típico da Índia), celulares, eletrônicos, lavanderias, sex shops, e casas de câmbio. A parte residencial do prédio porém, ainda mantém a reputação de perigosa devido ao grande risco de incêndio, por conta das condições insalubres, fiação antiga e escadarias obstruídas. Some a isso um histórico de estupros e ataques - que hoje em dia é mitigado com um poderoso sistema de câmeras de TVs que cobre cerca de 70% do prédio.

Mesmo com todas essas atividades que preferem evitar os holofotes o prédio ganhou fama na cultura popular através do filme Chungking Express (1994), e vem intrigando acadêmicos desde a publicação do livro Ghetto at the Center of the World, escrito em 2011 por Gordon Mathews, professor de antropologia da Universidade de Hong Kong, que passou mais de 4 anos documentando os residentes e operações do prédio.

Mathews estima que mais de 120 diferentes nacionalidades passam anualmente pelo prédio. Estima-se que em algum momento, 20% dos telefones ativos na África Sub-Saariana passaram pelo extenso mercado negro de telefones do prédio!

Nós ficamos empacados em Hong Kong por uma semana devido a problemas com nossos vistos e tivemos a “oportunidade” de morar todos esses dias no Chungking Mansions; segue algumas dicas e impressões sobre esse mundo paralelo :-)


Nathan Road

A Nathan Road é o coração da Tsim Tsha Tsui, e uma das partes mais vibrantes da península Kowloon, onde fica também a Chungking Mansion. São incontáveis lojas, mercados noturnos, restaurantes, estações de metrô e a proximidade desta região com o porto que liga a península a quase todas as outras Ilhas de Hong Kong, deixam a Nathan Road lotada o dia todo. É só pisar na rua e em 5 minutos você recebe inúmeras ofertas de relógios, bolsas e drogas das mais variadas, sempre seguido de um "something else?". Até ternos feitos sob encomenda é possível comprar.

 A badalada Nathan Road

A badalada Nathan Road

Durante a noite o movimento cai e muda o clima ligeiramente. Lembra um pouco Camden Town nos velhos tempos - sob efeito de esteróides; com centenas de luminosos e trânsito frenético. Basta "você se parecer ocidental o suficiente" para que seja constatemente abordado pelos vendedores ambulantes que saem não sei de onde, se aproximam bem pertinho do seu rosto e falam baixinho: _Purse, rolex…? _Haxixe, something else…?” (Bolsas, rolex, haxixe, algo mais?). Muito engraçado a princípio, até que começa te encher ter que passar por lá tantas vezes por dia... De tentar responder educadamente na primeira hora do dia, você simplesmente passa ignorá-los ou bloqueia a aproximação levando a palma da mão pra cima, e fazendo não com a cabeça... Intenso... 
 

Como chegar

O endereço do Chungking Mansions é 36–44 Nathan Road. Se você estiver vindo do aeroporto, esqueça toda e qualquer oferta dos vendedores e guichês, vá direto pra saída do aeroporto e pegue um ônibus local. O A21 é barato, tem Wi-fi, demora por volta de 1h 30 minutos e te deixa a poucos metros do edifício. Se você está muito carregado de malas é com certeza mais conveniente que o metrô.

Da Chungking Mansion de volta para o aeroporto é igualmente simples. O mesmo A21, do outro lado da rua, te leva direto pra lá.
 

Como viver e sobreviver

A maioria dos hostels oferecem hospedagem pela Internet. Também é fácil arrumar um quarto na hora. Assim que você entra no prédio, você vai ser bombardeado por uma legião de pessoas oferecendo acomodação (entre as usuais ofertas de SIM card e convites para saborear alguma especialidade gastronômica), se você não tiver reserva pela internet basta escolher qual parece menos suspeita e chegar junto :-)

A vantagem de arrumar e negociar um quarto na hora é que você pode conferir antes de pagar, porque na Chungking Mansion nada é o que parece ser, especialmente na foto.

 Você nunca mais vai reclamar do espaço do seu quarto!

Você nunca mais vai reclamar do espaço do seu quarto!

Dica: Se você tiver internet disponível, antes de pagar pesquise o preço do hostel online e tenha certeza que está pagando o melhor preço, porque às vezes os valores oferecidos na recepção são mais caros do que o que você pagaria se estivesse reservando online! Igualmente, pesquise os diferentes sites de reserva online. A diferença de preços entre sites pode variar muito pelo mesmíssimo quarto. 

Vamos ser realistas, ficar no Chunking Mansions é uma experiência antropológica, e pode não ser pra todo mundo. Se você tem mais de 1,90m, a coisa pode ficar… apertada. Em sua maioria, os quartos são minúsculos e alguns não passam de 3m2. A limpeza pode e deixa muito a desejar, e os aromas costumam ser uma mistura de cigarro com curry durante a maior parte do dia dependendo de andar que você se hospedar.

Dica: Tenha certeza de reservar um quarto com janela porque algum desses "apertamentos" sequer tem janela, e mesmo os com janelas podem sofrer de falta de luz natural :-(
 

O bloco e o andar fazem toda diferença!

O prédio tem 5 grandes torres, cada qual com uma letra. Nos ficamos apenas no Bloco D, mas com certeza o recomendo e por uma razão muito simples, o D fica mais distante da entrada principal e costuma ter a menor fila de espera pelo elevador.

 Isso sequer pode ser chamado de fila de elevador para o bloco A. Muito pouco trânsito.  Crédito: http://www.theculturemap.com/

Isso sequer pode ser chamado de fila de elevador para o bloco A. Muito pouco trânsito. Crédito: http://www.theculturemap.com/

Os elevadores do prédio são antigos e não cabem mais de 6 pessoas. Além de moradores, os funcionários dos restaurantes também os utilizam pra trazer comida, que é preparada nos "apertamentos". Só fomos descobrir essa história de que os apartamentos eram usados como cozinha alguns dias depois e isso explicou o por que acordarmos as vezes no meio da noite sufocados (mesmo nos hospedando num quarto com janela), com a impressão de estarmos dormindo dentro de uma panela de curry!

  Crédito: http://www.theculturemap.com/

Crédito: http://www.theculturemap.com/

Nos primeiros dois dias ficamos no City Guest House, no 7o andar. O quarto tinha cerca de 1.5x3m, era imundo e o dia inteiro apresentava um cheiro opressor de comida Indiana dia e noite. O banheiro era "de cabine", e menor do que de o de muito navio.

Terminada a nossa estadia, precisamos reservar dias extras em Hong Kong e alí não dava mais pra ficar, então encontramos pela Internet o Everest Hostel, que era no mesmo bloco, mas no último andar da Chungking Mansion, com preço mais baixo (passado o reveillon), e o melhor, um pouco mais espaçoso e um pouco mais limpo. De quebra, o cheio de curry e de cigarro que vinha nos sufocando no 7o andar não chegava ao 17o andar.

Tínhamos lido recomendações para evitar o último andar da Chungking Mansion, mas o nossa experiência diz o contrário. O último andar é onde você na verdade quer ficar. Além de escapar do cheiro de curry das cozinhas dos andares do meio, quando o elevador sobe no último andar você sempre pega elevador vazio, porquê o povo foi parando pelo caminho. Acredite, você pode passar muito tempo com elevador abrindo na sua cara e encontrar ele lotado de gente ou de panelas subindo e descendo quando você fica no 7o andar…

 Última manhã nos confortos do City Guest House

Última manhã nos confortos do City Guest House

Dica: Os elevadores são super antigos e tem um sensor de peso no meio dele. Ele bipa toda vez que o elevador está mais pesado do que o limite, mas os moradores descobriram que se eles se espremerem pelos cantos e não pisarem naquele "meinho" o elevador para de bipar, fecha a porta e continua a viagem. Pode não ser seguro ficar sobrecarregando o elevador o tempo todo, portanto, aproveite para se exercitar e use e abuse das escadas. Pode ser bem interessante passear pelas escadas da saídas de incêndio. Vimos gente com cara de quem estava armando alguma encostados por alí, lixo, roupas penduradas, sujeira, pichações entre outras coisas interessantes quando passávamos para entrar e sair da nossa estada em Hong Kong.
 

Onde comer

Os preços da Chungking Mansions não são super econômicos, como em qualquer cidade grande e multicultural como Hong Kong, mas a comida costuma ser muito bem feita. Eu evitaria comer na maioria dos locais do primeiro andar, especialmente nos que deixam a comida à mostra, porque você nunca tem certeza de quanto tempo aquele curry ou aquela porção de arroz está ali “descansando”.

Suba até o segundo andar, que é sempre menos frequentado, e escolha os restaurantes onde o seu prato é preparado na hora.

Um lugar que com certeza voltaríamos para comer de novo hoje, é o Bismillah Kebab house, número 75, no segundo andar. Comemos o melhor chicken tikka masala de nossas vidas ali, mais de uma vez, é claro ;). Eles servem também comida paquistanesa, que é mais bem preparada até do que as que eu comi no Paquistão!

O humus não é bom! Sério... Só não peça humus.
 

Atenção com vídeos e fotografias

Uma boa parte dos residentes e trabalhadores de Chungking Mansion não quer ser fotografado. Seja por conta de seu status legal em Hong Kong, ou da origem do negócio, tenha certeza de obter consentimento das pessoas e estabelecimentos antes de sair por aí clicando e filmando, ainda assim, seja discreto.

P.S Nós temos real prazer em praticar de um turismo mais cru que nos obriga a aprender mais sobre as dinâmicas de vida da população local. Ficar no Chungking Mansion foi, dentre todas as "atrações" que visitamos em Hong Kong, a que mais nos rendeu histórias, aprendizado, prazer e muita diversão, sem dúvidas.